» Negócios
» Empregos
» Informativos
» Glossário
» Conversões
» Distâncias em Km
» Sites úteis
» Vocabulário Comercial
» Fusos Horários
» Fale Conosco
Você está em: Home > Glossário 0-A
Glossário 0-A

0-A

B-C

D-E

F-G

H-K

L-M

N-Q

R-S

T-Z

3PL – THIRD PART LOGISTICS
veja OPERADOR LOGÍSTICO

4PL – FORTH PART LOGISTICS
veja QUARTEIRIZADOR LOGÍSTICO

ABASTECIMENTO DIRETO (DIRECT SUPPLY)
É um canal de distribuição com ausência de intermediários entre o produtor e o consumidor, no qual o produtor assume as responsabilidades que normalmente são funções de um intemediário.

ABASTECIMENTO INTEGRADO (INTEGRATED SUPPLY)
É uma aliança ou um compromisso a longo prazo entre duas ou mais organizações com o propósito de atingir negócios específicos através da maximização da eficiência de cada recursos das empresas participantes. O relacionamento é baseado na parceria, confiança, dedicação a objetivos comuns, em um entendimento das expectativas individuais de cada um.

ABATIMENTO (ALLOWANCE)
Dedução de pesos ou valor do produtos.

ABC – ACTIVIT BASED COSTING
veja CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES

ABC CLASSIFICATION
veja CLASSIFICAÇÃO ABC

ABNORMAL DEMAND
veja DEMANDA ANORMAL

ABORÇÃO (ABSORPTION)
Taxas de transporte: transportadoras podem absorver o custo de serviço especial ou benefícios e não incluí-lo no frete.
Compras: prática do vendedor pagar pelo frete para equalizar o custo em relação a outros concorrentes. Custos: método tradicional de apropriação de custos indiretos baseado em rateios por taxas de aplicação.

ACCOMPANIED TRANSPORT
veja TRANSPORTE ACOMPANHADO

ACCORDION ROLLER CONVEYOR
veja TRANSPORTADOR CONTÍNUO EXTENSÍVEL

ACCUMULATING
veja ACUMULAÇÃO

ACCURACY
veja ACUÁRIA

ACEITE (ACCEPTANCE)
É o documento assinado pelo cliente que formaliza a aprovação de uma cotação para que o fornecedor entregue um produto ou serviço.

ACESSIBILIDADE (ACCESSIBILITY)
Capacidade de um transportador prestar serviço entre uma origem e um destino.

ACF – ATTAINABLE CUBIC FEET
veja ESPAÇO CÚBICO PERMITIDO

ACKNOWLEDGEMENT OF RECEIPT
veja CONFIMAÇÃO DE RECEBIMENTO

ACKNOWLEGEMENT OF DELIVERY
veja CONHECIMENTO DE ENTREGA

ACOLCHOAMENTO (SHIELDING)
Resultado da aplicação de elementos protetores contra choques e vibrações.

ACOMPANHAMENTO (TRAKING OU FOLLOW UP)
O processo de acompanhamento de um embarque de modo a determinar a natureza de seus movimentos no ponto onde as cargas foram perdidas e como podem ser recuperadas. Enquanto a expedição deve priorizar o embarque, o acompanhamento inicia-se após este embarque. Embora alguns embarcadores solicitem que seja acompanhada a maioria de seus embarques, isto normalmente deveria apenas ser utilizado para localizar um embarque que foi perdido. Entre diversas formas de acompanhamentos estão: fax ou e-mails, telefonemas e registros de entregas. Quando realizado um acompanhamento, particularmente são necessários o número do conhecimento, a data, o número do veículo, o manifesto, o embarcador e o destino.

ACONDICIONAMENTO ( CONDIOTIONING)
Processos de colocar cuidadosamente os materiais em recipiente ou contenedor destinada a proteger e acomodar materiais e equipamentos.

ACORDO DE CO-FABRICANTE (CO-MAKER AGREEMENT)
Acordo feito entre o fornecedor / co-fabricante e o cliente que, além do objetivo e termo de acordo, traz anotações de longo prazo: tempos de entrega, confiabilidade de entrega, desempenho da qualidade e quantidade, procedimentos para efetuar redução no preço, e cooperação no desenvolvimento de novos produtos, entre outros.

ACORDO DE LIVRE COMÉRCIO NORTE-AMERICANO (NORTH AMERICAN FREE TRADE AGREEMENT – NAFTA)
Um acordo aduaneiro relacionado à aliança econômica definida pelo Canadá, México e Estados Unidos.

ACORDO DE PEGAR OU LARGAR (TAKE OR PAY AGREEMENT)
Acordo de preços feito entre comprador e vendedor que estabelece que o comprador pagará por uma quantidade definida durante um período de tempo, independentemente da quantidade realmente necessária. Estes são usualmente acordos de desconto por preço.

ACORDO OU CONTRATO DE NÍVEL DE SERVIÇO (SERVICE LEVEL AGREEMENT – SLA)
Especifica as exigências do serviço contratado e as penalidades no caso do não-cumprimento do acordo.

ACTION MESSAGE
veja MENSAGEM DE EXCEÇÃO

ACTIVE INVENTORY
veja ESTOQUE ATIVO

ACTIVITY PLANNING
veja PLANEJAMENTO DE ATIVIDADE

ACUMULAÇÃO (ACCUMULATING)
Atividade de combinar estoques homogêneos de produtos ou materiais em grande quantidades.

ACÚMULO DE PERDAS DE RENDIMENTO ( CASCADING YIELD LOSS)
Condição em que ocorre perda de rendimento em múltiplas operações ou tarefas.

ACURÁCIA (ACCURACY)
Grau de ausência de erro ou grau de conformidade com o padrão. Acuracidade é diferente de precisão. Por exemplo, uma quantidade de quatro dígitos é menos precisa do que uma quantidade de seis dígitos adequadamente informada pode apresentar maior acuracidade do que uma quantidade de seis dígitos inadequadamente.

ACURÁCIA DE ESTRUTURA DE PRODUTO (PRODUCT STRUTURE ACCURACY)
Grau de conformidade entre as proporções dos componentes de um produtos registradas e praticadas.

ACURÁCIA DE PREVISÃO (FORECASTING ACCURACY)
Grau de acerto entre quantidades previstas e efetivas.

ACURÁCIA DE REGISTROS (RECORD A ACCURACY)
Conformidade dos dados de registros com os dados físicos. Por exemplo, em um sistema de controle de estoque, lista de materiais, lista de funcionários, etc.

ADVALOREM (AD VALOREM)
Proporcionalmente ao valor: uma taxa aplicada a certas tarifas de frete ou alfandegárias cobradas sobre produtos como porcentagem do seu valor.

ADDEVALUE
veja VALOR AGREGADO

ADR – ARTICLES DANGEREUX DE ROUTE
veja TRANSPORTE DE ARTIGOS PERIGOSOS

ADUANA (CUSTOM)
São impostos ou taxas definidos pelo governo, sobre produtos importados ou exportados de um país.

ADVANCED CHARGE
veja COBRANÇA ANTECIPADA

ADVANCED SUPPLY CHAIN MANAGEMENT
veja GERENCIAMENTO AVANÇADO DE CADEIA DE ABASTECIMENTO

AEROPORTO (AIRPORT)
Completa instalação em terra, necessária para o serviço de pouso e decolagem de aeronaves. Inclui pistas, hangares, terminais e todas as acomodações para passageiros , inclusive estacionamento.

AEROPORTO HUB (HUB AIRPORT)
Aeroporto que serve como ponto para início e conclusão de vôos de longa distância; vôos a áreas de custo maior são levados ao aeroporto hub para vôos com conexão / re-despacho.

AGENCY FEE
veja COMISSÃO DE AGÊNCIA

AGENTE DE PEDIDOS (ORDER CLERCK)
Pessoas encarregadas de ler, validar e assegurar a acuracidade dos pedidos.

AGENTE DE TRÁFEGO (TRAFFIC AGENT)
Empresa especializada na organização e gestão de toda a cadeia de transporte de mercadorias (ou parte delas), e encarregada pelo estivador de efetuar esse serviço. Para realizar este trabalho faz contratos, relativamente às diversas frases do transporte, com outros operadores, por exemplo, consignatários, agentes alfandegários, agências de transporte, etc.

AGENTE MARÍTIMO (SHIP BROKER)
Empresa intermediária que, em nome e por conta do armador ou da empresa de navegação proprietária do navio, atua como depositária das mercadorias enquanto estas se encontram no terminal portuário, assumindo a sua recepção e entrega e cobrando os receptivos fretes. Além disso, presta serviços ao próprio navio e à sua tripulação, e efetua as operações de gestão relacionadas com a presença do navio no porto. Parte que recebe a carga, conforme mencionado no conhecimento de transporte.

AGGREGATE FORECAST
veja PREVISÃO AGREGADA

AGGREGATE INVENTORY MANAGEMENT
veja GERENCIAMENTO DE ESTOQUES AGREGADO

AGGREGATE PLANNING
veja PLANEJAMENTO AGREGADO

AGGREGATED STOCK
veja ESTOQUE AGREGADO

AGGREGATION LEVEL
veja NÍVEL DE AGREGAÇÃO

AGILE MANUFATURING
veja MANUFATURA ÁGIL

AGILIZAR (EXPEDITE)
Apressar ou acompanhar ordens de produção ou aquisição necessárias em um período menor do que o lead time normal; adotar ação extraordinária por causa de um aumento na prioridade relativa.

AGREGAÇÃO (AGGREGATION)
Combinar partes para formar conjuntos com base em determinado critério. O objetivo é possibilitar que esses conjuntos sejam considerados um todo com relação a pontos específicos ou funções de planejamento. Esses conjuntos podem ser combinados para formar novos conjuntos.

AGRUPAMENTO (GROUPING)
Relacionamento de operações e realização conjunta das mesmas seqüencialmente, aproveitando a mesma preparação.

AGV – AUTOMATED GUIDED VEHICLE
veja VEÍCULO AUTOMATICAMENTE GUIADO

AHEAD SCHEDULING
veja PRAGRAMAÇÃO A FRENTE

AIAG – AUTOMOTIVE INDUSTRY ACTION GRUOP
Associação norte-americana, com fins não lucrativos, que reúne montadoras e autopeças com a missão de melhorar a produtividade no segmento automotivo.

AIM – AUTOMATIC INDETIFICATION MANUFACTURES
Associação comercial dos fabricantes e distribuidores de equipamentos, sistemas e acessórios para identificação automática.

AIR FREIGHT FORWARDER
veja EXPEDIDOR DE FRETE AÉREO

AIRWAY TRANSPORTATION
veja TRANSPORTE AÉREO

AIS AUTOMATED IDENTIFICATION SYSTEN
veja SISTEMA AUTOMÁTICO DE IDENTIFICAÇÃO

AISLE
veja CORREDOR

ALFANDEGADO (INBOND)
Estocagem de produtos em custódia do governo em armazéns alfandegados ou transportador de onde os produtos podem ser retirados apenas com pagamentos de taxas ou impostos para uma agência governamental apropriada.

ALGORITMO WAGNER-WHITIN (WAGNER- WHITIN ALGORITHM)
Técnica matematicamente complexa de dimensionamento de lote, que avalia todas as formas possíveis de se efetuar um pedido para cobrir as necessidades em cada período do horizonte de planejamento e chegar a uma estratégia ótima de pedido de todo o programa de necessidades.

ALIANÇAS ESTRATÉGICAMENTE HORIZONTAL (STRATEGIC ALLIANCE – VERTICAL)
Uma ligação com outra empresa com o propósito de obter vantagens e ampliar competências como acesso a capital, habilidades ou atender determinada região. Um exemplo pode ser uma aliança com um fornecedor, de modo a obter sua tecnologia, que não será vendida para outra empresa.

ALL-TIME ORDER
veja PEDIDO FINAL

ALLOCATED STOCK
veja ESTOQUE FINAL

ALOCAÇÃO (ALLOCATION)
Divisão ou distribuição de produtos, atividades , capacidade, custos e / ou recursos para unidades organizacionais como clientes, fornecedores, fábricas ou departamentos.

ALOCAÇÃO DE PEDIDOS (ORDER ALLOCATION)
Procedimentos de priorização de pedidos em carteira, usado quando um estoque é insuficiente para atender a todas as solicitações. Uma gestão define a alocação das mercadorias a partir de critérios de prioridades.

ALTERNATE OPERATION
veja OPERAÇÃO ALTERNATIVA

ALTERNATIVE ROUTING
veja ROTEIRO ALTERNATIVO

ALTO GIRO (FAST MOVER)
Produto entregue ou usado na produção com grande freqüência ou em um número relativamente elevado por período

ALTURA MÁXIMA ABAIXADO (OVERALL LOWERED HEIGHT)
A máxima dimensão vertical entre o solo e o ponto mais alto do mastro da empilhadeira com o garfos abaixados sem carregamento

ALTURA MÍNIMA (MINIMUN UNDERCLERARANCE)
Dimensão vertical do ponto mais baixo do veículo, até o nível de apoio do veículo.

AMOSTRA (SAMPLING)
Inspeção que se executa sobre uma fração (amostra) representativa da população, inferindo-se, com base estatísticas às características da qualidade de toda população

ANÁLISE ABC
veja CLASSIFICAÇÃO ABC

ANÁLISE DE ENTRADA E SAÍDA (INPUT / OUTPUT ANALYSIS)
Análise das relações mútuas entre a variáveis decisivas para os processos de produção e distribuição em um centro de distribuição, unidade industrial, setor e / ou toda empresa quanto a entrada e saída de produtos necessários para o processo.

ANÁLISE DE FATOR COM PESO (WEIGHTED FACTOR ANALYSIS)
Tomada de decisão baseados em uma combinação de diversos fatores, tanto qualitativos quanto quantitativos. Primeiramente faz-se a identificação dos fatores para, em seguida, estabelecer os pesos e classificar as opções.

ANÁLISE DE MODOS E EFEITOS DE FALHA DE PROCESSO (PROCESSOS FAILURE MODES ANALYSIS – PFMA)
Técnica analítica da manufatura para assegurar que os modos de falha em potencial e as suas causas tenham sido consideradas.

ANÁLISE DE PERIGO E PONTO CRÍTICO DE CONTROLE (HACCP – HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINT)
Uma metodologia internacionalmente reconhecida para segurança de alimentos, a qual fornece diretrizes para identificação e controle de riscos.

ANÁLISE DE SUPORTE LOGÍSTICOS (LOGISTICS SUPPORT ANALYSIS)
Processo interativo analítico, parte do processo de engenharia de sistemas, elaborado para identificar avalia o suporte logístico para um sistema, definindo:
-considerações de suporte para influenciar o projeto;
-as necessidades de suporte relacionadas a otimização do projeto;
-aquisição do suporte necessário;
-fornecimento do suporte necessário durante a fase de operação.

ANÁLISE DO CICLO DE VIDA (LIFE CYCLE ANALYSIS)
Técnica quantitativa de previsão que se baseia na aplicação de padrões que se baseia na aplicação de padrões históricos dos dados de demanda de produtos similares para a nova família de produtos, cobrindo as fases de lançamento, crescimento, maturidade, saturação e declínio.

ANÁLISE DO FLUXO DE MATERIAIS (MATERIAL FLOW ANALYSIS)
Utilização dos dados coletados para o cálculo e análise do fluxo de materiais entre cada unidade de processamento.

ANÁLISE DO VALOR DO TRABALHO REALIZADO (EARNED VALUE ADDED – EVA)
Método de acompanhamento de processo físico e econômico dos projetos .

ANÁLISE DO VALOR DO TRABALHO REALIZADO (EARNED VALUE ADDED – EVA)
Técnica de controle de projetos que acompanha o progresso físico (percentual realizado) e financeiros do projeto (custos incorridos), inclusive de forma gráfica

ANÁLISE DOS GERADORES DE CUSTOS (COST DRIVERS ANALYSIS)
Exame, quantificação e discussão dos efeitos dos geradores de custos. A administração utiliza, com freqüência, os resultados da análise dos geradores de custos em programas de melhoria contínua, para auxiliar na redução do tempo de processamento, aprimorar a qualidade e reduzir custos.

ANÁLISE E-SE (WHAT-IF ANALYSIS)
Uma análise geralmente computadorizada para simulações de várias alternativas ou cenários e avaliações da viabilidade de seus resultados.

ANCORADOURO (BERTH)
Local em um porto em que uma embarcação pode ser atracada, freqüentemente indicado por um código ou nome.

ANSI – AMERICA NATIONAL STANDARDS INSTITUTE
Organização que define os padrões americanos baseados no consenso de todas as organizações envolvidas.

ANSI X 12
Um conjunto de normas promulgadas pelo American National Standads Institute para uso na formatação e manuseio de documentos relacionados a compra, transmitidos via EDI

ANTECIPAÇÃO DE EXPEDIÇÃO (FORWARDING)
Ação anterior ao envio de remessas, consolidando informações relacionadas aos produtos e seus transportes e, em caso de transporte internacional, especificando o órgão responsável pelo controle de exportações / importações.

ANTECIPATED DELAY REPORT
veja RELATÓRIO DE ATRASO PREVISTO

ANTECIPATION INVENTORY
veja ESTOQUE DE ANTECIPAÇÃO

ANTROMETRIA (ANTHROPOMETRY)
Envolve a medição das dimensões, pesos e formatos de corpo humano, bem como a identificação das resistências, responsáveis e esforços suportados.

AOD – ACKNOWLEDGEMENT OF DELIVERY
veja CONHECIMENTO DE ENTREGA

APD – ADDITIONAL PRODUCT DOCUMENTATION
veja DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL DE PRODUTO

APICS – AMERICAN PRODUCTION AND INVENTORY CONTROL SOCIETY
Associação americana para controle de produção e estoque.

APPLICATION INDENTIFIER
veja INDENTIFICADOR DE APLICAÇÃO

APS – ADVANCED PLANNING SYSTEMS
veja SISTEMA DE PLANEJAMENTO AVANÇADO

AQUISIÇÃO RÁPIDA DE PEÇAS FABRICADAS (RAPID AQUISITION OF MANUFACTURED PARTS – RAMP)
Uma forma de processamentos de pedido para reduzir o tempo de compra pelo cliente de peças fabricadas com o longo lead time, onde os dados do produto são intercambiados em formato eletrônico quando o pedido é colocado.

AQUISITION ANNUAL COST
veja CUSTO ANUAL DA AQUISIÇÃO

AQUISITION COST
veja CUSTO DE AQUISIÇÃO

ÁREA DE CARREGAMENTO (LOADING AREA)
A superfície que pode ser o piso ou a plataforma de um palete onde as cargas são posicionadas.

ÁREA DE EXPEDIÇÃO (SHIPPING AREA)
Área utilizada para a preparação de cargas para carregamento em um veículo, vagão, etc.

ÁREA DE QUEBRA (BREAK-OUT AREA)
Uma área interna ao armazém na qual a desembalagem de caixas ocorre de modo que a mercadoria possa ser classificada e distribuída para suas locações apropriadas de estocagem.

ARMAZÉM (WAREHOUSE)
Local onde os produtos são recebidos, estocados e expedidos.

ARMAZÉM ALFANDEGADO ( BONDED WAREHOUSING)
Um tipo de armazém na qual as empresas colocam os produtos sem a necessidade de pagar taxas ou tarifas aduaneiras. Local reservado para armazenagem e custódia de mercadorias importadas que estão sujeitas as taxas ou tarifas alfandegárias: até que elas sejam quitadas os produtos devem ficar retidos ou ser devolvidos para o país de origem. Este armazém deve ter aprovação do governo e estar sob leis e garantias de funcionamento.

ARMAZÉM DE ABASTECIMENTO (SUPPY WAREHOUSE)
Um armazém para matérias-primas em uma empresa, combinando produtos de diferentes fornecedores e preparando os pedidos para a fábrica.

ARMAZÉM DE DISTRIBUIÇÃO (DISTRIBUTION WAREHOUSE)
Armazém no qual produtos são estocados e de onde os pedidos dos clientes são atendidos.

ARMAZÉM GERAL (PUBLIC WAREHOUSE)
Armazém operado por terceiros que presta serviços a vários clientes do mercado.

ARMAZÉM INTERMEDIÁRIO (INTERMEDIATED WAREHOUSE)
Armazém localizado entre fábricas e clientes para prestar melhor atendimento ao cliente e reduzir o custo de distribuição.

ARMAZÉM PRÓPRIO (PRIVATE WAREHOUSE)
Armazém operado pela empresa para seus próprios produtos.

ARMAZÉM TEMPORÁRIO (OVERFLOW WAREHOUSE)
É um armazém que guarda temporariamente os produtos em picos de demanda ou períodos de safra.

ARMAZENAGEM (WAREHOUSING)
È a denominação genérica e ampla que inclui todas as atividades em um local destinado à guarda temporária e à distribuição de materiais (depósitos, almoxarifados, centros de distribuição, etc). Conjunto de atividades executadas em almoxarifado, depósito, galpão, armazém ou centro de distribuição. Entre as diversas atividades, estão o recebimento, o endereçamento, estocagem, separação dos itens, embalagem, expedição, etc.

ARMAZENAGEM DE TRANSPORTES (TRANSPORTATION WAREHOUSING)
Representa um custo de armazenagem economizado. A roteirização sobre circunstâncias diversas oferece oportunidades para maximizar o tempo em trânsito e, assim, o recebimento de um serviço de armazenagem sem ônus. As economias no custo de armazenagem, a partir de uma estocagem sem ônus pelo transportador, podem ser obtidas ao invés de pagar um armazém geral ou próprio.

ARRANJO FÍSICO (LAYOUT)
È a arte e a ciência de converter os elementos complexos e inter-relacionados da fabricação e instalação físicas em uma disposição capaz de atingir os objetivos da empresa.

ARRENDADOR (LESSOR)
Parte que concede a propriedade de um bem sob acordo de leasing.

ARTIFICIAL INTELLIGENCE
veja INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

ÁRVORE DE PRODUTOS (PRODUCT TREE)
Estrutura que mostra os níveis relevantes de agregação de determinada categoria de tipos de produtos.

AS/RS – AUTOMATED STORAGE / RETRIEVAL SYSTEM
veja SISTEMA DE ESTOCAGEM / RECUPERAÇÃO AUOMÁTICA

ASAP – AS SOON AS POSSIBLE
Tão logo quanto possível.

ASME – AMERICAN SOCIETY OF MECHANICAL ENGINEERS
Sociedade Americana dos Engenhos Mecânicos

ASN – ADVANCED SHIPMENT NOTIFICATION
veja AVISO ANTECIPADO DE EMBARQUE

ASP – APPLICATION SERVICE PROVIDER
veja PROVEDOR DE SERVIÇOS E APLICAÇÃO

ASSEMBLE TO ORDER
veja MONTAGEM SOB ENCOMENDA

ASSEMBLY
veja MONTAGEM

ASSORTING
veja CLASSIFICAÇÃO

ATA CARNET
veja CARNÊ ATA

ATACADISTA (WHOLESALER)
Intermediário entre fabricante e varejistas em várias atividades como promoção, armazenagem, transporte e distribuição física. Compra e vende as mercadorias. Trabalha para diversos fornecedores, inclusive com linhas concorrentes.

ATENDIMENTO DO PEDIDO (ORDER FULFILLMENT)
Processo que envolve o recebimento dos pedidos, planejamento, programação e entrega dos produtos.

ATIVIDADE DE VALOR AGREGADO (VALUE-ADDED ACTIVITY)
Uma atividade que contribui para adicionar valor ao cliente ou satisfazer uma necessidade organizacional. O valor agregado reflete uma crença de que a atividade não pode ser eliminada sem uma redução de quantidades, da capacidade de reação ou da qualidade dos resultados desejados pelos clientes ou pela organização.

ATIVIDADE QUE NÃO AGREGA VALOR (NON-VALUE-ADDED ACTIVITY)
Uma atividade que é considerada como não contribuidora para o processo de adicionar valor ao cliente ou para as necessidades organizacionais. A designação “que não adiciona valor” reflete uma crença de que a atividade pode ser reestruturada, reduzida ou eliminada, sem a correspondente redução das quantidades, da capacidade, da qualidade dos resultados desejados pelos clientes ou pela empresa.

ATP – AVAIBLE TO-PROMISSE
veja DISPONÍVEL PARA PROMESSA

AUTHORIZED DEVIATION
veja DESVIO AUTORIZADO

AUTOMAÇÃO (AUTOMATION)
Integrar descobertas cientificas e de engenharia em processos de produção para propósitos estratégicos.

AUTOMAÇÃO DE PROCESSO DE NEGÓCIO (BUSINESS PROCESS AUTOMATION)
Automação de distribuição, revisão e avaliação da informação, incluindo tarefas como integração de dados, relatórios específicos, reconciliação de cobrança, inteligência de negocio, autorização e execução de transação comercial.

AUTOMAÇÃO FLEXÍVEL (FLEXIBLE AUTOMATION)
Uso de máquinas automáticas acionadas por computador, que são facilmente reprogramáveis para outros.

AUTOMAÇÃO RÍGIDA (FIXED AUTOMATION)
Uso de máquinas automáticas que são difíceis de modificar para outros produtos.

AUTOMATIC ORDER (PORT AUTHORITY)
Entidade de direito público responsável pela administração gestão e exploração do porto e que, ainda, exerce o controle dos serviços portuários. Tem personalidade jurídica e patrimônio próprios e dispõe de plenos poderes para agir no sentido de cumprir os seus objetivos, segundo o principio geral da autonomia de gestão.

AVAILABILITY
veja DISPONIBILIDADE

AVAILABLESTOCK
veja ESTOQUE DISPONÍVEL

AVERAGE DEVIATION
veja DESVIO MÉDIO

AVERAGE INVENTORY
veja ESTOQUE MÉDIO

AVIÃO MISTO (COMBI)
Uma aeronave que transporta passageiros e carga, na cabine central.

AVISO ANTECIPADO DE EMBARQUE (ADVANCED SHIPMENT NOTIFICATION – ASN)
Informe antecipado aos clientes alertando quanto os produtos deverão chegar.

AWB – AIRWAY BILL
veja CONHECIMENTOS DE TRANSPOTADOR AÉREO

AXLE LOAD
veja CARGA SOBRE EIXO


Nós Acreditamos



© 2003-2014 Transpost.com.br - Todos os direitos reservados - Powered by: SmartSite